0 produtos em seu carrinho
  APROVEITE NOSSAS PROMOÇÕES
  ATÉ 10X SEM JUROS
  8% DE DESCONTO NO BOLETO
da Cor

da Cor Livro

Edgar Moura

de R$ 119,00   |   ver parcelas por 10x de R$ 9,90 s/ juros ou R$ 99,00 à vista
 R$ 91,08 à vista no Boleto (8% de desconto)
ok
0 avaliações

O livro que todo fotógrafo, editor de vídeo e cinema precisa ler! Descubra os segredos da correção de cor para não perder tempo e não perder dinheiro.

Livro inédito na área no Brasil! Este livro do aclamado diretor de fotografia Edgar Moura, autor do best-seller 50 anos de luz, convida fotógrafos, produtores e diretores de cinema a entrarem no mundo da correção de cor.

Esta obra ensina como funciona todo o processo de ajuste de cores para filmes, vídeos e fotos. O livro possui um conteúdo riquíssimo e será um divisor de águas na forma de você ver, entender e corrigir imagens. O prefácio do livro é do renomado autor de novelas, Gilberto Braga. Atenção! Este é um produto físico. Você receberá ele em sua casa, enviado pelos Correios.

LEIA UMA AMOSTRA GRÁTIS

Todos os livros sobre correção de cor (digital) são parecidos. Eles começam com uma pequena introdução sobre o que é a cor (fótons, ondas eletromagnéticas etc.) e depois entram numa longa lista de procedimentos e truques do Color Grading (sim, são todos livros em inglês).

Este aqui é o contrário: é quase todo uma longa introdução sobre o que é a cor (fontes, objetos e olhos) e uma pequena parte sobre como fazer a correção de cor (sim, é um livro em português). Melhor: não é um livro para ensinar como fazer o Color Grading e, sim, para ajudar os fotógrafos a dialogarem com os coloristas na hora de sentarem na frente do monitor e fazerem a correção de cor de suas imagens.

De 1998, quando escrevi o 50 Anos Luz, para cá, muita coisa mudou na tecnologia de cinema. De tudo o que mudou, porém, o que mais mudou foi a correção de cor. Por isso, aqui está uma espécie de 50 Anos Luz modelo 2016.

Antes de começar os trabalhos, uma história: quase no século passado (hoje em dia, nos anos 2000, tudo aconteceu no século passado), então, em 2005, a Globo alardeou ter descoberto a Fonte da Juventude. A emissora inventou o que passou a chamar de maquiagem eletrônica. Tinha até um nome: baselight. Como o nome era parecido com um produto de maquiagem que existe de verdade, a base, a coisa pegou e virou moda. Todo o mundo, exceto os coloristas, falava que a Globo estava usando o baselight para rejuvenescer as atrizes. Era um segredo e um marketing ao mesmo tempo. Fingiam segredo e usavam-no para a divulgação de uma técnica que seria exclusiva deles.

Os meus amigos coloristas podiam ter me explicado o que era o milagre e eu não teria passado o vexame que passei. Mas, lá fui eu para Las Vegas, em 2011, participar da feira de material de televisão da National Association of Broadcasters (NAB). Fui com uma missão especial da alta direção da Record: descobrir o que era a misteriosa maquiagem eletrônica baselight. Pergunta daqui, pergunta dali, fui parar na firma de pós-produção FilmLight, onde expliquei minha missão. O vendedor, solícito, me sentou numa suíte de correção de cor com uma colorista. Note bem, uma colorista. Meu inglês não é lá essas coisas e achei que não tinham me entendido direito, por isso tentei me explicar melhor, dizendo que não queria ver a operação de correção de cor e, sim, só a técnica do baselight. A senhora me olhou meio estranho (ela fez aquela cara de americano lidando com cucaracha e pensou: Esse vai ser dos difíceis) e, com um gesto amplo da mão, disse: Este é o baselight.

Bom, realmente ainda não devo ter sido claro. Vou simplificar a coisa, repliquei, esclarecendo que eu queria conhecer a técnica base- light de maquiagem eletrônica que fazia as velhas (old ladies) parecerem jovens. Aí a velha senhora resmungou alguma piada feminista, que eu não entendi, emburrou de vez e quase me botou para fora da suíte. Mexeu lá nuns botões (sim, hoje eu sei em quais botões ela mexeu e para que servem, já digo já, mais adiante, mas deixe-me continuar a história) e fez o que eu já tinha visto mil vezes os meus amigos coloristas fazerem, quando estão marcando a cor de um filme: separou a pele por luminância e deu um blur, o que fez a cara da atriz ficar tão difusa quanto quando usamos um filtro pro-mist na câmera. A velha colorista olhou para mim com desprezo e perguntou se estava bom assim. Como era uma missão oficial da televisão, eu não podia titubear e, mesmo constrangido, perguntei se aquilo era o baselight. Aí a ficha caiu a ficha da colorista. A mulher abriu um sorriso (de gozação) e disse: Sir, baselight não é uma técnica, é o nome do software de correção de luz da nossa firma, a FilmLight.

CAPÍTULO 1
As cores
Nassau for Dummies: As quinze causas
das cores para os piores alunos da classe
Os quinze mecanismos das cores

CAPÍTULO 2
O que faz o colorista
Fogo, fumaça e poeira
Correção de cor/Marcação de luz
(Color correction/Color grading)
As três fases da correção de cor
As normas (Broadcast legality)
Pixels (Picture elements)
Um céu de brigadeiro, azul, e o voo por instrumentos
Os instrumentos: Waveform e Vectorscope
Vocabulário
Para onde isso vai?
Vocabulário, ainda: Gamut
Vetor é cor
A correção primária
O segredo da correção primária está nas parade curves
Correção primária feita nos gráficos RGB
Os pretos primeiro
Antes, vocabulário e Photoshop
As curvas metem medo e as curvas são a salvação
Uma piscada de olho para o Photoshop
Photoshop e correção de cor digital: a diferença
A curva Gamma-Tempo deu nas curvas Luma/RGB
A lua crescente, o sol nascente e um ponto de vista
Ainda as primárias: filtros e visuais pré-programados
Telecine, primárias e secundárias
A correção secundária
Pele, grama e céu: correção secundária e as possibilidades
Identificação, separação e correção
Separação eletrônica
Separação por área
O mistério da cor de Luma, a Vermelha
O look
Instagram
Mouses, jogos e DaVinci
O programador, o software e Darthvader
A direção de fotografia acabou
O bom gosto e a arte do colorista
Cartier-Bresson
A cor pop
A arte e o colorista
As ferramentas: HSL/baixas, médias e altas
Aces: o futuro é para sempre

CAPÍTULO 3
O que faz o fotógrafo
O quadro
Fotografia e movimento

CAPÍTULO 4
Como o fotógrafo faz o que faz
O filme
RGB progressivo

CAPÍTULO 5
A cor e a luz na TV
Minissérie: um equador em contraluz
O primeiro conceito e as primeiras imagens
A cor do Equador
O interior do Equador
As luzes da ribalta
A cor da luz da novela
O SUI (Sistema Único de Iluminação)
E, por fim, a cor do SUI
Senhor Diretor, estou pronta para o meu close! 
Xuxa Light: O Exterminador do Passado
A arte e o fotógrafo
Coloristas, LUTs e o cara

CAPÍTULO 6
O Diário da Cor (2000-2016)

CAPÍTULO 7
O que falta saber
A persistência retiniana é uma obturação?
O experimento
Parem as rotativas!
Tenho câmera, viajo

AutorEdgar Moura
Páginas324 páginas coloridas
Edição1 (primeira)
Formato17x24cm
Ano2016

Outros produtos

Parcelamento

1x de R$ 99,00   |   Total R$ 99,00
2x de R$ 49,50   |   Total R$ 99,00
3x de R$ 33,00   |   Total R$ 99,00
4x de R$ 24,75   |   Total R$ 99,00
5x de R$ 19,80   |   Total R$ 99,00
6x de R$ 16,50   |   Total R$ 99,00
7x de R$ 14,14   |   Total R$ 99,00
8x de R$ 12,38   |   Total R$ 99,00
9x de R$ 11,00   |   Total R$ 99,00
10x de R$ 9,90   |   Total R$ 99,00